Resutado: Mystery Box – Sorteio 1

Quando me propus a fazer esse sorteio de Mystery Box fiquei na dúvida se sorteava uma ou duas caixas de livros. Então, deixei no post apenas uma caixa e se eu mudasse de ideia, apenas sorteava mais uma.

E foi o que aconteceu. Resolvi sortear duas pessoas e cada uma delas vai receber em casa 5 livros surpresa + marcadores + brindes.

Sem mais delongas, as duas pessoas sorteadas foram…

Resultado Sorteio

Alice e Waldirene, parabéns. Vocês receberão um email ainda hoje e tem 48 horas para respondê-los, ok!

Vocês podem conferir o resultado também no post da promoção.

Família Bridgerton #1 – O Duque e Eu

Eu confesso que me interessei por essa coleção quando a Alba falou dele. Na verdade ela disse que estava lendo o volume dois, O Visconde Que Me Amava, e gente… Visconde? Só penso no Visconde de Sabugosa do Sítio do Pica-pau Amarelo. Desculpa…

Mas então ela gostou e a Bianca também e depois a Denise estava empolgada com a série e… Eu não precisava mais de incentivos. Corri atrás dos meus libertinos.

o duque e eu

Título: O Duque e Eu
Autora: Julia Quinn | Editora: Arqueiro
Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Eu não sei por onde começar a falar desse livro. Eu adoro romance histórico e eles me lembram dos clássicos, só que eu sempre fico pensando que eles foram escritos ontem. É engraçado, de certa forma. É como se os autores tivessem que se esforçar para criar situações, diálogos e cenários compatíveis com a época sem ter vivido aquilo, o que torna a tarefa ainda mais árdua e mágica.

Julia Quinn resolveu pegar logo uma família de oito irmãos e escrever um livro para cada um deles. Os Bridgerton são daquele tipo de família grande, mas que todo mundo se ama. Todo mundo briga, implica um com o outro, mas no fim do dia, todos se amam, se ajudam e se protegem.

Nesse livro, acompanhamos a Daphne, quarta filha da família e primeira das garotas. Ela é inteligente demais para já ter arrumado um noivo. Seu pai faleceu há alguns anos e seu irmão mais velho, Anthony, é tido como um libertino, assim como outros jovens homens ricos e com títulos de nobreza.

Daphne conhece quase todos os amigos de seus irmãos e sabe exatamente com quem não deve se meter. E os caras que prestam… Bem, eles só a veem como uma boa amiga.

Quando o Duque de Hastings aparece em sua vida, eles acabam se tornando amigos e planejam fingirem um namoro para que o “passe dela” seja elevado na sociedade – embora ela tenha um dote grande, seja de família rica, ela precisa que os rapazes vejam que ela é alguém que vale a pena.

Mas então, algo inesperado acontece – mentira, é claro que a gente sabe que isso vai acontecer, né! – e ela se apaixona pelo Duque e é correspondida.

Ao invés de ficarmos esperando um livro inteiro para que o casal finalmente fique junto, Julia Quinn nos propõe outra ordem cronológica.

Como os casamentos são parcialmente arranjados – quero dizer, as pessoas podem se casar com quem quiserem, mas as famílias e principalmente a sociedade tem muito a ver com isso – o “enlace” dos pombinhos acontece lá pelo meio do livro, sempre por algum motivo que não é exatamente o amor entre o casal.

E quando você pensa que está tudo bem e agora vai finalmente ver o casalzinho se pegando feroz – porque é romance histórico e sim, tem sexo – plot twist! Alto inesperado acontece e eles vão ter passar por algum problema e resolver e só depois teremos o final feliz.

Os dois últimos parágrafos podem parecer spoiler, mas não são, juro! Quem ler o livro vai observar que essa é a forma que a Julia Quinn usa para escrever esses livros e os acontecimentos são basicamente iguais. E claro, eu falei da ordem dos fatos, mas os detalhes (os engraçados, os de partir o coração, os de fazer suspirar), vocês vão precisar ler para saber.

Uma coisa bem divertida nessa série é que todos os livros tem a “interferência” de uma colunista social misteriosa. Ela escreve fofocas em um jornal e ninguém sabe quem ela é. Algumas moças a amam e outras a odeiam. Tudo que ela fala – principalmente sobre os Bridgerton – acaba influenciando todos os personagens. Todos os capítulos começam com uma notinha do jornal dela e todo mundo quer saber quem é essa mulher que sabe tudo da vida de todo mundo.

O fato é que eu gostei muito do livro. Adoro histórias melosas que fazem a gente suspirar feito bobas e sonhar com amores impossíveis em um tempo que há muito já se foi. Sim, eu li os dois livros seguintes e gostei deles também. Mas talvez eu tenha gostado mais dos personagens do que das histórias, uma vez que elas são meio que fórmulas prontas.

Para quem gosta de romance histórico, eu recomendo. Só não esperem demais.

Meus cinco casais favoritos da literatura

No dia da abertura da Copa do Mundo dos Namorados, resolvi falar para vocês dos meus cinco casais favoritos da literatura. Aqueles que me fizeram amar e odiar seus criadores simplesmente por eles terem me dado expectativas irreais a respeito de relacionamentos e principalmente sobre homens.

Por acaso, meus casais favoritos da literatura são também meus casais favoritos no cinema.

5º lugar: Holy & Gerry – P. S. Eu Te Amo

P. S. Eu Te Amo

No livro, eles são amigos desde a infância, diferente do filme. Ainda assim, não tem como não amar esse casal que faz a gente chorar do começo ao fim. A Cecelia é uma das minhas escritoras favoritas e fiquei entre Holy&Gery e Rose&Alex (Onde terminam os arco-íris) e acabei escolhendo os primeiros.

4º lugar: Rachel & Dexter – O Noivo da Minha Melhor Amiga

O Noivo da Minha Melhor Amiga

Há quem diga que Rachel é uma safada porque “roubou” o noivo da melhor amiga. Mas vamos combinar, não é bem assim… Rachel e Dexter se amam desde sempre e por mais canalha que ele seja na maior parte do tempo, eu adoro que ele finalmente toma uma decisão.

3º lugar: Emma & Dexter – Um Dia

Um Dia

Sim, mais um Dexter. Eu amo a forma que eles passam uma vida inteira interagindo, mas sem realmente ficarem juntos, apenas sendo amigos. Suas vidas tem altos e baixos e um monte de reviravoltas até que… Bem, só quero dizer que eu amo esses dois. Eles me fizeram derramar tantas lágrimas que eu já nem sei mais.

2º lugar: Rose & Dimitri – Academia de Vampiros

Academia de Vampiros

E por falar em lágrimas… Vamos falar de Dimitri Belikov. Sim, esse homem arrasou meu coração desde a página 9 e depois na página 11 com seu “My name is Dimitri Belikov”. E pronto, já era amor. E não, não consigo amar ninguém como amo esse cara e esse casal. Eles são perfeitos em cada aspecto, do começo ao fim. Não consigo imaginar alguém torcer para Rose ficar com Adrian qualquer outra pessoa.

1º lugar: Bridget & Darcy – O Diário de Bridget Jones

O Diário de Bridget Jones

Mas então, sempre tem Mark Darcy, aquele que gosta de você do jeito que você é. Porque Mark Darcy é esse Mr. Darcy dos anos 90. E você não o ama porque ele é lindo e rico e charmoso. Você o ama principalmente porque ele gosta da Bridget, tapada, problemática, com autoestima lá no pé, bebendo, fumando e com diarréia verbal. E eles são perfeitos porque não combinam em nada.

Ah bem… E temos…

 

Orgulho e Preconceito

É uma verdade universalmente conhecida que não há no mundo um casal mais amado que Lizzy & Darcy. E foi por isso que eu coloquei os dois separados do restante da lista. Porque seria injusta a forma que eles humilham todos os outros. Jane Austen não sabia que acabaria com a vida amorosa de gerações e gerações de mulheres ao redor do mundo apenas escrevendo esse livro. Pois é…

E vocês? Quais os casais da literatura que vocês mais amam?

Não sei, mas sabe… Como é dia dos namorados, eu posso fazer um sorteio entre as pessoas que comentarem… Sabe como é, o amor é lindo e essas coisas.