As Batidas Perdidas do Coração

Então eu estou desde o dia 17 de novembro de 2014 segurando essa resenha. Isso porque a Bianca estava em negociação com editora Verus e combinamos de não postar nada até o lançamento do livro. E quer saber? Eu ainda não tenho o meu em mãos! Que triste, gente. Estou aqui sofrendo porque só vou ter na sexta-feira, na Bienal. Aliás, ele é um dos livros mais vendidos no estande da Record!

Enfim… Agora que todo mundo já garantiu o seu na pré-venda (se você não fez isso, clique aqui para comprar) eu posso falar de Viviane e Rafael.

batidas

Título: As Batidas Perdidas do Coração
Autora: Bianca Briones | Editora: Verus
Sinopse: Viviane acaba de perder o pai. Com a mãe em depressão, ela se vê obrigada a assumir o controle da casa com o irmão mais novo. Rafael teve o pai assassinado há alguns anos e agora viu quatro pessoas de sua família, incluindo a única irmã, morrerem em um acidente de carro. Viviane pertence a uma classe social que ele despreza. Rafael é tudo o que ela sempre ouviu que deveria evitar. Eles são opostos, porém dividem a mesma dor. Jamais se aproximariam se a morte não os colocasse frente a frente, e agora, por mais que saibam que são completamente errados um para o outro, não conseguem evitar uma intensa conexão, que poderá salvá-los ou condená-los para sempre. As batidas perdidas do coração é uma história sobre perdas e como cada um lida com elas. É o encontro atormentado entre a dor e o amor. Com uma narrativa sexy, envolvente e repleta de música, este livro traz a última tentativa de duas pessoas arruinadas que, juntas, buscam desesperadamente se encontrar.

É engraçado que sempre vejo as pessoas falando sobre este ser o livro de estreia da Bianca, quando para mim ele é o quarto livro. Antes eu li Sonhos de Avalon. Mas ‘Batidas’ é seu primeiro livro New Adult, o que me deixa muito feliz porque ultimamente é um dos gêneros que mais gosto. Sim, eu adoro um drama, adoro essa tensão sexual que existe entre os personagens e principalmente, adoro um passado complicado.

Porém, no caso de Rafa e Vivi, eles não tem um passado ruim, eles tem tido dias muito difíceis desde que conseguem se lembrar. Ela acaba de perder o pai e durante sua doença teve que lidar com a depressão da mãe. Ele perdeu tios, primo e sua única irmã e essa nem é sua primeira perda na vida.

Nesse momento, a vida mostra a Viviane e Rafael que ela não escolhe quem vai sofrer. Ser rico ou pobre tanto faz. Uma hora você vai perder alguém na sua vida. E o dinheiro não vai te fazer sofrer menos.

É nesse contexto que o caminho desses dois personagens destroçados se cruza. Cada um está tentando passar por isso a sua maneira e dor em comum acaba os aproximando. Infelizmente, isso é só o começo.

Porque relacionamentos são assim. Você conhece alguém, se apaixona, mas não sabe o que vai passar com aquela pessoa. Nem sempre você sabe tudo sobre o passado dela, o que ela já fez e que demônios ela esconde dentro do armário. E é quando você descobre que precisa decidir o que fazer: correr ou lutar junto. Se corre, perde a chance daquilo que poderia ter sido. E se decide lutar junto… Bem, você nunca sabe como é lutar a batalha do outro.

E As Batidas Perdidas do Coração é exatamente sobre escolhas. Sobre o momento de seguir e recuar. Estar ao lado ou estar longe. Enfrentar demônios ou se tornar um deles.

A história de Vivi e Rafa é contada em pontos de vista alternados e é recheada de música que é praticamente um personagem à parte. Cada capítulo começa com uma música que dá ao leitor o ritmo do que vem a seguir, que complementa todo um sentimento do personagem e nos prepara para os próximos acontecimentos. É como quando uma canção começa a tocar em um filme e você não sabe o que vai rolar, mas seu coração já se prepara para a dor, a alegria, o suspense… E é justamente pelo suspense que não vou entrar em detalhes musicais. Vou deixar isso para vocês descobrirem sozinhos e se encantarem como eu.

Tá, mentira. Vou dizer que tem três músicas do Bon Jovi e essa sou eu, fangirl máxima dando ataques e faniquitos lendo. E eu juro por tudo que há de mais sagrado que não tive nada a ver com isso.

Estive acompanhando a história de Batidas desde que ele ficou pronto. Acompanhei desde que ele chegou na Verus e torci por dias enquanto esperava resultado. Eu sofri e me emocionei. Eu chorei com a capa. Depois com a revisão. E com o miolo pronto. Eu chorei quando escrevi um blub para a orelha. Então, não é como se eu pudesse dizer simplesmente que eu gostei do livro.

Eu amo esse livro com todas as minhas forças. Eu amo a Vivi e suas contradições de uma menina de 18 anos que cresceu à força e ora se comporta como mulher, ora como adolescente. Uma garota que percebe cedo demais que não pode controlar sua vida e acaba ficando obcecada por controlar tudo aquilo que consegue, como por exemplo, suas roupas. Que teve tudo o que o dinheiro pode comprar, que teve todo amor que alguém pode ter, mas a quem a vida escolheu bater e bater com força.

Eu sou apaixonada pelo Rafael que, com todos os seus esqueletos dentro do armário, se mostra humano, passível de erros e também de acertos. Esse garoto que já perdeu tanto que já não vê mais motivo para fazer a coisa certa, mas que descobre que seu equilíbrio pode estar em coisas que ele jamais imaginou.

Eu sou fascinada por cada um dos personagens secundários da história desde o avô Fernando – que tem tudo para ser odiado – até Lucas, Rodrigo e Lex, os melhores amigos que um cara como Rafa pode querer na vida. E Branca… Bem, eu diria que se um dia você passar por alguma situação na vida, é melhor ter alguém como ela por perto.

Resutado: Mystery Box – Sorteio 1

Quando me propus a fazer esse sorteio de Mystery Box fiquei na dúvida se sorteava uma ou duas caixas de livros. Então, deixei no post apenas uma caixa e se eu mudasse de ideia, apenas sorteava mais uma.

E foi o que aconteceu. Resolvi sortear duas pessoas e cada uma delas vai receber em casa 5 livros surpresa + marcadores + brindes.

Sem mais delongas, as duas pessoas sorteadas foram…

Resultado Sorteio

Alice e Waldirene, parabéns. Vocês receberão um email ainda hoje e tem 48 horas para respondê-los, ok!

Vocês podem conferir o resultado também no post da promoção.

Família Bridgerton #1 – O Duque e Eu

Eu confesso que me interessei por essa coleção quando a Alba falou dele. Na verdade ela disse que estava lendo o volume dois, O Visconde Que Me Amava, e gente… Visconde? Só penso no Visconde de Sabugosa do Sítio do Pica-pau Amarelo. Desculpa…

Mas então ela gostou e a Bianca também e depois a Denise estava empolgada com a série e… Eu não precisava mais de incentivos. Corri atrás dos meus libertinos.

o duque e eu

Título: O Duque e Eu
Autora: Julia Quinn | Editora: Arqueiro
Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Eu não sei por onde começar a falar desse livro. Eu adoro romance histórico e eles me lembram dos clássicos, só que eu sempre fico pensando que eles foram escritos ontem. É engraçado, de certa forma. É como se os autores tivessem que se esforçar para criar situações, diálogos e cenários compatíveis com a época sem ter vivido aquilo, o que torna a tarefa ainda mais árdua e mágica.

Julia Quinn resolveu pegar logo uma família de oito irmãos e escrever um livro para cada um deles. Os Bridgerton são daquele tipo de família grande, mas que todo mundo se ama. Todo mundo briga, implica um com o outro, mas no fim do dia, todos se amam, se ajudam e se protegem.

Nesse livro, acompanhamos a Daphne, quarta filha da família e primeira das garotas. Ela é inteligente demais para já ter arrumado um noivo. Seu pai faleceu há alguns anos e seu irmão mais velho, Anthony, é tido como um libertino, assim como outros jovens homens ricos e com títulos de nobreza.

Daphne conhece quase todos os amigos de seus irmãos e sabe exatamente com quem não deve se meter. E os caras que prestam… Bem, eles só a veem como uma boa amiga.

Quando o Duque de Hastings aparece em sua vida, eles acabam se tornando amigos e planejam fingirem um namoro para que o “passe dela” seja elevado na sociedade – embora ela tenha um dote grande, seja de família rica, ela precisa que os rapazes vejam que ela é alguém que vale a pena.

Mas então, algo inesperado acontece – mentira, é claro que a gente sabe que isso vai acontecer, né! – e ela se apaixona pelo Duque e é correspondida.

Ao invés de ficarmos esperando um livro inteiro para que o casal finalmente fique junto, Julia Quinn nos propõe outra ordem cronológica.

Como os casamentos são parcialmente arranjados – quero dizer, as pessoas podem se casar com quem quiserem, mas as famílias e principalmente a sociedade tem muito a ver com isso – o “enlace” dos pombinhos acontece lá pelo meio do livro, sempre por algum motivo que não é exatamente o amor entre o casal.

E quando você pensa que está tudo bem e agora vai finalmente ver o casalzinho se pegando feroz – porque é romance histórico e sim, tem sexo – plot twist! Alto inesperado acontece e eles vão ter passar por algum problema e resolver e só depois teremos o final feliz.

Os dois últimos parágrafos podem parecer spoiler, mas não são, juro! Quem ler o livro vai observar que essa é a forma que a Julia Quinn usa para escrever esses livros e os acontecimentos são basicamente iguais. E claro, eu falei da ordem dos fatos, mas os detalhes (os engraçados, os de partir o coração, os de fazer suspirar), vocês vão precisar ler para saber.

Uma coisa bem divertida nessa série é que todos os livros tem a “interferência” de uma colunista social misteriosa. Ela escreve fofocas em um jornal e ninguém sabe quem ela é. Algumas moças a amam e outras a odeiam. Tudo que ela fala – principalmente sobre os Bridgerton – acaba influenciando todos os personagens. Todos os capítulos começam com uma notinha do jornal dela e todo mundo quer saber quem é essa mulher que sabe tudo da vida de todo mundo.

O fato é que eu gostei muito do livro. Adoro histórias melosas que fazem a gente suspirar feito bobas e sonhar com amores impossíveis em um tempo que há muito já se foi. Sim, eu li os dois livros seguintes e gostei deles também. Mas talvez eu tenha gostado mais dos personagens do que das histórias, uma vez que elas são meio que fórmulas prontas.

Para quem gosta de romance histórico, eu recomendo. Só não esperem demais.