Antes que eu vá

A primeira vez que ouvi falar desse livro foi no ano passado, quando a Iris estava lendo e comentou dele. Depois, continuei a ouvir falar da Lauren Oliver, por causa de Delirium e, em ambos os casos, fiquei bastante interessada.

Título: Antes Que Eu Vá
Autora: Lauren Oliver | Editora: Intrínseca
Sinopse: Em uma noite chuvosa de fevereiro, Sam é morta em um acidente de carro horrível. Mas em vez de se ver em um túnel de luz, ela acorda na sua própria cama, na manhã do mesmo dia. Forçada a viver com os mesmos eventos ela se esforça para alterar o resultado, mas acorda novamente no dia do acidente. O que se segue é a história de uma menina que ao longo dos dias, descobre através de insights desoladores, as conseqüências de cada ação dela. Uma menina que morreu jovem, mas no processo aprende a viver. E que se apaixona um pouco tarde demais.

Antes Que Eu Vá é, antes de tudo, um livro sobre ter uma segunda chance, aquela que todos nós gostaríamos de ter em vários momentos de nossas vidas, a oportunidade de fazer certo dessa vez. Porém, nessa história, narrada em primeira pessoa, Lauren Oliver nos apresenta Sam, que tem que morrer para perceber que poderia fazer diferente.

A sensação que temos ao ler as várias chances de Sam é que já sabemos o que vai acontecer. Bem, ao menos, nas primeiras vezes. E então somos surpreendidos por mudanças que vão, pouco a pouco, mudando o rumo das coisas, que vão apresentando a Sam um mundo que ela precisou morrer para descobrir. Um mundo no qual as pessoas nem sempre são tão egoístas quanto ela e suas amigas.

Sam é está no High School e faz o tipo popular. Junto com as amigas (Lindsay, Ally e Elody) inferniza a vida alheia e não tem a menor noção do quanto é capaz de magoar pessoas com suas atitudes. Hoje em dia, tudo é bullying, mas nem tudo, na verdade, é bullying. As pessoas se apegaram a esse termo de tal modo, que hoje em dia, o simples “brincar com um coleguinha” é levado ao extremo.

Esse tipo de implicância e até de agressão (verbal e física) acontece desde sempre e não, não é justificado e muito menos perdoável. Só não podemos colocar tudo no mesmo saco. Quando um adolescente implica com o outro, aleatoriamente, é apenas uma implicância. Quando alguém é constantemente intimidado, aí sim é preocupante.

Falando como educadora, acho sempre que há uma parcela grande de culpa de pais e educadores, uma vez que a criança e o adolescente vivem em um mundo regido por adultos, tendo eles como suas referências. Quando os pais e educadores são relapsos, ausentes ou incompetentes, as chances de uma criança/adolescente ser vítima ou mesmo causador de bullying são maiores. Quando pais e educadores agem intimidando, chantageando e agredindo essas crianças e adolescentes, eles vão crescer sabendo que esse é o modo correto de agir e assim o farão.

É por isso, que na maior parte do tempo, eu não julgo Sam e suas amigas. Acho que elas têm atitudes que são muito próximas as normais (não exatamente aceitáveis) para a idade, para o grupo em que estão inseridas, para as realidades sociais e familiares em que vivem. Não consigo analisar uma história sem perceber todo o contexto familiar e social dos personagens, sem observar todos os elementos que possam, de alguma forma, justificar as suas ações.

Por outro lado, novamente, esse é um livro que nos chama a atenção para aquilo que fazemos de errado e o que gostaríamos de mudar. Infelizmente, nem todos temos uma segunda chance. Não temos a possibilidade de parar, olhar para nossos erros e começar novamente, do zero. Então, acho que a mensagem final é que façamos sempre as coisas certas, por mais piegas que isso possa parecer.

Classificação Geral: [Rating:4.5/5]

Lauren Oliver, autora de Antes Que Eu Vá (Before I Fall) e Delirium, vive no Brooklin, gosta de cozinhar e é louca por café e ketchup e tem 10 tatuagens.

Comments

comments

This entry was posted in Resenhas. Bookmark the permalink.
35 anos, cabofriense e vascaína. Viciada em coca-cola, baunilha e livros. Mãe de duas gatas: Nina e Roza. Quase sem preconceitos literários - só não lê autoajuda e livros religiosos - fangirl de Safran Foer e Richelle Mead. Adora YA, principalmente os de fantasia que envolvam vampiros, anjos e outros seres sobrenaturais. E não, não gosta de lobos e outros metamorfos. Autora do conto "Reencontro", que faz parte do livro "Meu Amor é um Mito", publicado em 2012 pela Editora Draco.

15 thoughts on “Antes que eu vá

  1. OMG, amei!
    “Falando como educadora, acho sempre que há uma parcela grande de culpa de pais e educadores, uma vez que a criança e o adolescente vivem em um mundo regido por adultos, tendo eles como suas referências.”
    Super concordo, sei que vou amar o livro agora huahuauhahua

  2. Sua resenha tirou um preconceito que eu tinha com esse livro. Preconceito sem cabimento, admito. O título me lembrava muito Before I Die. Na verdade, tudo me lembrava Before I Die, e essa foi uma das mais chatas leituras que eu já fiz, portanto não estava a fim de ler Before I Fall. Mas agora acho que vou dar uma chance! :D

  3. Gostei muito da sua resenha.
    sobretudo da parte em que defende que os pais tem uma grande parcela de culpa, na minha opinião eles tem a maior na verdade. Principalmente se por acaso disserem que ‘não sabia’ que o filho fazia tal coisa.
    Quero muito ler. Estou esperando para ler esse livro há muito tempo. Espero que eu goste muito.

  4. Não sabia que a história era assim , gostei , e fiquei curiosa pra saber o que ela aprendeu morrendo de tendo outra chance ,mas ja da pra perceber que com os bullyns na escola ela deve ter parado . Gostei muito da sua visao como pedagoga , muitas vezes eu simplesmente julgo a personagen por ser uma chata /fresca/que vive enchendo o saco de outras garotas ,mas nem imagino o que passa em casa etc . Bjus Mih

  5. Eu concordo com tudo que você disse, mas acabei julgando a Sam no começo do livro. E mais gente que eu conheço fez o mesmo. Achei um tanto quanto inevitável, mas depois comecei a gostar mais dela (:

    E por mais que as liçoes do livro sejam bem comuns, achei que elas foram tranmisitdas de uma maneira tão bonitinha, nem me importei com o clichê aheuaheui beijos (;

  6. Ai como eu adoro esse livro, é mto mto legal. No começo achei que ia me cansar por causa da repetição, mas depois apaixonei. Preciso ler de novo, pq li em inglês, e ainda não me dou mto bem com inglês não.
    Mas esse é um dos que eu sempre recomendo.

  7. Concordo bastante!
    Acho que qnd lemos temos que ter em mente o contexto e a realidade dos personagens.. Eu gostei muito da leitura e achei ate divertida as tentativas da Sam.. Claro que nem sempre concordei com as atitudes dela, mas são validas
    E tb gostei porque a questão da ‘segunda chance’ é de algum modo hipotética e achei que o fim foi mt sensato!

    bjss

  8. Terminei de ler “Antes que eu vá” e ADOREI!!!! Leitura “querida”… Terminei de ler e fiquei com um vazio… uma saudade da Sam!!! Obrigada pela dica, comprei o livro pela indicação do blog. :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Powered by sweet Captcha